MNP

Notícias

14/07/2017
Fonte: Scot Consultoria

Carta Boi - Comprar na baixa e vender na alta: O desafio de ser otimista em meio ao caos

Comprar na baixa e vender na alta. Este é o sonho de todo negociador, seja lá o que estiver negociando. 

 

Cada mercado tem as suas particularidades e indicadores de impacto, analisados na tentativa de aumentar o grau de acerto das decisões relacionadas ao “timing” de compra e venda.

 

No mercado do boi gordo, a lógica comercial não é diferente. 

 

Por óbvio, o objetivo aqui não é afirmar que é possível antever o futuro, nem a hora exata das mudanças de tendências do preço da pecuária, mas sim fornecer subsídios para a construção de estratégias que visam aumentar as chances de antecipar os grandes movimentos de mercado. 

 

Os preços pecuários caminham em ciclos. Neste mercado, existe a vantagem de os preços serem regidos, em grande parte, pela variação da oferta, em grandes movimentos de relativa previsibilidade.

 

Nesta edição analisamos o desempenho da recria e engorda, sob a ótica de perdas e ganhos relacionadas à arroba comprada (bezerro) no momento da venda (boi gordo) e as tendências desta relação.

 

Perdas e ganhos

 

Em 2017, o recriador que está terminando o ciclo do bezerro comprado por volta de 2015, está diante do pior cenário do passado recente da pecuária, considerando a diferença de preços entre a arroba comprada e vendida.

 

Sem dúvida, trata-se de um cenário preocupante, já que o principal item de custo de produção do recriador é o bezerro.

 

Para analisar a evolução das perdas e ganhos da arroba comprada, apresentamos na figura 1 esta diferença histórica, baseada nos preços do Mato Grosso do Sul (importante fornecedor de bezerros), com um peso de entrada de 6@ e um intervalo de recria e engorda de 30 meses.

 

 

Considerando as premissas informadas, o recriador que comprou o bezerro em janeiro de 2015 e vendeu a boiada em julho de 2017 está amargando uma queda de 38,3% na cotação da arroba comprada, o pior patamar da série histórica analisada.

 

Este resultado é pior até mesmo do que o verificado em 2006, ano em que foi registrado o mais baixo preço real da história para o boi gordo.

 

Não é preciso analisar muito para concluir que a diferença vigente é resultado dos altíssimos preços reais do bezerro em 2015.

 

Mas o que vem pela frente?

 

A recomposição do rebanho bovino desencadeada pela retenção de fêmeas já vem surtindo efeitos sobre a oferta de bezerros. 

 

Em Mato Grosso do Sul, a cotação vigente (julho/17) para o bezerro desmamado com seis arrobas,  R$990,00/cabeça, está 19,5% menor que a verificada no mesmo período do ano passado, em termos nominais. 

 

Mesmo com esta queda, dá para imaginar que este movimento possa continuar por um tempo. A retenção de fêmeas se apresentou de forma visível e progressiva até o ano passado (2016). Assim, deveremos ter uma continuidade da expansão da oferta por pelo menos mais um ano (2018), que é quando os bezerros da estação de monta de 2016 serão desmamados e ofertados no mercado.

 

De volta à figura 1, verifica-se que justamente quando o recriador apura o pior resultado (caras tristes) é que ocorre o melhor momento para comprar o bezerro e iniciar um novo ciclo, já que o resultado apurado nesta rodada, na venda, é bastante positivo (caras felizes).

 

Dito isso, a conclusão é que a largada para a compra de bezerros que fornecerão ganhos sobre a arroba comprada parece ter sido dada. Oportunidades de compra se apresentam e devem se apresentar ao recriador também em 2018. 

 

A única ressalva é que o resultado atual ainda pode piorar antes de começar a melhorar. Os resultados de venda ainda devem ser negativos por um tempo, a depender da duração das quedas da cotação da arroba do boi.

 

O desafio é ser otimista com ciclos futuros diante do estrago do ciclo que termina em 2017 e 2018. Considerando o intervalo de recria e engorda apresentado, a venda do bezerro comprado atualmente ocorrerá somente em janeiro de 2020.

 

O objetivo de qualquer estratégia comercial não deve ser acertar sempre o melhor momento de compra e venda, mas sim participar de um movimento de mercado favorável. A liberdade que desfruta o sistema de recria e engorda permite essas adequações.

 

Por fim, estamos diante do pior patamar do indicador apresentado. Aproveitar as baixas da reposição e começar a trabalhar giros com o bezerro em queda (de preferência a uma velocidade maior que a utilizada nesta análise - para aproveitar ao máximo este momento de mercado) é uma estratégia que deve ser considerada.

              
Outras notícias
24/11/2017 - IBMEC Agro será lançado em São Paulo
24/11/2017 - Aumento de produtividade é tema de curso na ABIMAQ
24/11/2017 - Senar/MS certifica mais de mil pessoas em Três Lagoas
23/11/2017 - Comercialização de Milho e Soja em Campo Grande
23/11/2017 - Boiada come capim nativo e ajuda a conservar ambiente do Pantanal
22/11/2017 - Capacitação e assistência técnica são caminho para aumentar rentabilidade do produtor
21/11/2017 - Sinais do fortalecimento da agricultura brasileira
21/11/2017 - Agronegócio: MS garante melhor resultado do PIB no País
21/11/2017 - Balança do país tem superávit de US$ 700 milhões na terceira semana de novembro
21/11/2017 - Drone: evento apresentará tecnologias do Agro no dia 22, em Campo Grande
Mais Notícias
 

Endereço:
Rua Raul Pires Barbosa, 116
Campo Grande/MS

Telefones:
(67) 3341-1444

E-mail:
contato@mnp.org.br