MNP

Editoriais

29/07/2008
Fonte: Jornal Folha de São Paulo

A cartada do Brasil

Itamaraty acerta ao distanciar-se de parceiros tradicionais na tentativa de salvar a liberalização do comércio agrícola

COM A crise dos alimentos à porta, parece que emergiu o desejo político de concluir a Rodada Doha, da Organização Mundial de Comércio (OMC). Um acordo, ainda que modesto em relação à expectativa inicial, evitaria o enfraquecimento maior do sistema multilateral de comércio.

As negociações em Genebra estão concentradas em uma nova proposta de liberalização da agricultura e da indústria apresentada na sexta. Na esfera agrícola, os Estados Unidos aceitam reduzir em 70% seus subsídios, limitando-os a US$ 14,5 bilhões ao ano. A União Européia compromete-se com um corte de 80%, restringindo-os a 24 bilhões por ano.

Em escala mundial, as tarifas agrícolas mais altas seriam reduzidas em 70%. Apenas produtos designados como "sensíveis" poderiam ter alíquota acima de 100%. A proposta de sexta permite que países desenvolvidos classifiquem como sensíveis até 4% dos produtos. Em contrapartida devem aumentar suas cotas de importação nos mesmos 4%. Países em desenvolvimento podem classificar como especiais até 12% dos produtos.

No âmbito industrial, os países desenvolvidos limitariam suas tarifas a 8%. Países em desenvolvimento teriam três opções de escolha. No caso dos emergentes, como o Brasil, a contrapartida seria participar de pelo menos dois acordos setoriais de liberalização industrial.

Em razão de ser um dos principais beneficiários de uma abertura agrícola, o Brasil decidiu afastar-se de parceiros tradicionais e apoiar a proposta, unindo-se a EUA, União Européia e Japão. A cartada reabriu a possibilidade de concluir negociações que já duram sete anos. Trata-se, agora, de convencer os demais.

A Índia resiste diante de sua gigantesca população rural: quase 800 milhões de indianos ainda vivem no campo. Nova Déli teme que o aumento abrupto das importações acelere o êxodo rural e amplie a miséria urbana. A China, por sua vez, exige que os acordos setoriais para reduções tarifárias na indústria sejam apenas voluntários. A Argentina requer mais proteção para sua indústria nos cortes tarifários para o Mercosul já aceitos por Brasil, Uruguai e Paraguai.

Ao distanciar-se momentaneamente de Índia, China e Argentina, o Itamaraty entendeu, a tempo de tentar salvar Doha, que o jogo de negociações comerciais não pode ser travado com base na rigidez de esquemas geopolíticos ultrapassados. Quando estão em conflito vários interesses econômicos distintos, o que importa para as alianças é o raciocínio tático, que nem sempre antepõe ricos a pobres.
              
Outras notícias
27/01/2009 - O dogma da reforma agrária
20/01/2009 - Risco de crise no campo
15/01/2009 - Investimento de retorno garantido
11/12/2008 - Terra de índio
11/12/2008 - Maus sinais para o campo
09/12/2008 - Lula fala demais
02/12/2008 - Uma agenda para a política agrícola
06/10/2008 - Contrastes e convergências - 1929 e 2008
30/09/2008 - O tamanho do aperto
19/09/2008 - Cientista da Ufal diz que o homem não muda o clima e que o Protocolo de Kyoto é ridículo
Mais Editoriais
 

Endereço:
Rua Raul Pires Barbosa, 116
Campo Grande/MS

Telefones:
(67) 3341-1444

E-mail:
contato@mnp.org.br