MNP

Artigos

27/04/2012
Fonte: Agrolink

Milho safrinha requer cuidados para evitar gastos desnecessários

Pesquisadores recomendam atenção especial com pragas e doenças, mesmo em lavouras transgênicas

 

Com toda expectativa em torno do milho safrinha, após a quebra na safra de soja no estado, pesquisadores do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) alertam para a necessidade de cuidados básicos com a lavoura. O mais importante é o monitoramento de pragas e doenças.

Segundo o pesquisador Antônio Gerage, o fato da maior parte do milho plantado no Paraná ser transgênico não assegura a imunidade a todas as pragas. “O milho geneticamente modificado é resistente a algumas delas, como a lagarta do cartucho, a broca da cana e a lagarta da espiga, mas outras não”, afirma. Uma delas, de acordo com ele, é o percevejo que afeta diversas plantas. “Muitas pragas que até então eram secundárias estão ganhando força, como o pulgão e o até o ácaro. Dai a necessidade de monitorar a lavoura para saber o momento certo de aplicar agrotóxico”, salienta.

O pesquisador Pedro Shioga faz um alerta sobre custos elevados com agroquímicos. “É preciso lembrar que milho safrinha é cultura de risco, tendo em vista diversos fatores como geada e falta de chuva”. Assim, sugere o pesquisador, é preciso reduzir ao máximo os gastos. “Se o produtor tiver prejuízo, que seja menor”, diz. Ele ressalta que o mês de abril foi excelente para o safrinha, com chuva, temperatura e umidade na medida certa, mas a colheita ainda vai levar uns meses e, nesse intervalo, a situação pode mudar. Segundo o Simepar, a partir de maio o risco de geadas atinge todas as regiões paranaenses.

Gerage cita dados da Secretaria de Agricultura do Paraná (Seab) para mostrar que 75% das lavouras no estado estão em boas condições. “63% está na fase de desenvolvimento vegetativo, quando aparecem as principais pragas e doenças, então todo cuidado é pouco. Depois que a planta atingiu certa altura, fica difícil entrar com máquina e fazer aplicação de agrotóxico”, reforça. A melhor alternativa, diz ele, é monitorar também para evitar doenças, como a pinta branca, a mancha de cercóspora e a ferrugem. Eles lembram que existem híbridos com resistência a doenças, mesmo assim, o monitoramento é indispensável.

              
Outras notícias
15/09/2017 - Reflexos da reforma trabalhista no meio rural
13/09/2017 - O Brasil não está só no universo pecuário global
04/09/2017 - Agosto foi à gosto de quem?
01/09/2017 - O uso da ureia na nutrição de bovinos e sua viabilidade econômica
28/08/2017 - Os desafios para os pecuaristas adotarem integração lavoura-pecuária - parte 2
16/08/2017 - Imposto Territorial Rural 2017: muda o ano, permanecem os problemas
16/08/2017 - Imposto Territorial Rural 2017: muda o ano, permanecem os problemas
04/08/2017 - Seu patrimônio rural está aumentando e evoluindo?
28/07/2017 - Mercado do boi com indícios de sustentação nos preços
28/07/2017 - Boi como renda fixa?
Mais Artigos
 

Endereço:
Rua Raul Pires Barbosa, 116
Campo Grande/MS

Telefones:
(67) 3341-1444

E-mail:
contato@mnp.org.br