MNP

Artigos

04/09/2017
Fonte: Scot Consultoria

Agosto foi à gosto de quem?

Desde o início de agosto, ajustes positivos vêm acontecendo na cotação da arroba do boi gordo. A pergunta que desponta diante desse quadro é: trata-se de um momento de alta real ou de um momento de recuperação de perdas?

 

A trajetória de queda das cotações vivida nos últimos meses mudou de direção. O mercado virou. Comparando a variação da cotação mês a mês é possível perceber essa inversão de tendência (figura1).

 

Figura 1. Variação mês a mês da cotação da arroba do boi gordo, a prazo.

 

 

Fonte: Scot Consultoria

 

Em agosto, das 32 praças pesquisadas pela Scot Consultoria, a arroba subiu em 31 delas, resultando, em média, de 8,2% de valorização.

 

Destaque para as praças de Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul cujas altas foram de 14%, 13% e 15% respectivamente (figura 2).

 

Figura 2. Desempenho da cotação da arroba do boi gordo a prazo em agosto.

 

 

Fonte: Scot Consultoria

 

A entressafra está ditando o ritmo das altas.

 

A retração da oferta acontece para os bovinos terminados em pasto e para os bovinos terminados em confinamento.

 

Em função dos fatos vividos nos últimos seis meses, houve uma quebra de confiança do setor e a quantidade de boiadas originadas nos confinamentos de primeiro turno diminuíram. Essa retração de oferta foi sentida fortemente em agosto e a cotação subiu. O final das chuvas e dos estragos causados pela seca e pelo frio finalmente exerceram seu peso.

 

Outro motivo que explica a atual escassez de oferta tardia foi o prolongamento das chuvas, a seca esperada em maio não veio, os pastos permaneceram com boa capacidade de suporte e o escoamento da oferta de boiadas de pasto foi parcelado entre junho e julho.

 

A entressafra foi sentida a partir de agosto.

 

A cotação da arroba subiu, mas a carne bovina não.

 

Em função disso, em meados de julho a margem dos frigoríficos, segundo os indicadores da Scot Consultoria, que era de 42%, está em 21,1%, se aproximando da média histórica.

 

Como estamos no começo de setembro e se aproximando do dia do pagamento dos salários, a expectativa é de que o mercado fique firme, pois sazonalmente nesse período o consumo interno de carne bovina melhora.

 

Marina Zaia

Analista de mercado da Scot Consultoria. Médica veterinária pela Universidade Estadual Paulista (UNESP - Jaboticabal).

 
              
Outras notícias
28/11/2017 - O marketing da cadeia está nas mãos de quem?
15/09/2017 - Reflexos da reforma trabalhista no meio rural
13/09/2017 - O Brasil não está só no universo pecuário global
01/09/2017 - O uso da ureia na nutrição de bovinos e sua viabilidade econômica
28/08/2017 - Os desafios para os pecuaristas adotarem integração lavoura-pecuária - parte 2
16/08/2017 - Imposto Territorial Rural 2017: muda o ano, permanecem os problemas
16/08/2017 - Imposto Territorial Rural 2017: muda o ano, permanecem os problemas
04/08/2017 - Seu patrimônio rural está aumentando e evoluindo?
28/07/2017 - Mercado do boi com indícios de sustentação nos preços
12/07/2017 - Um tsunami de ideias negativas vai atrapalhar seu negócio. Fique fora dessa
Mais Artigos
 

Endereço:
Rua Raul Pires Barbosa, 116
Campo Grande/MS

Telefones:
(67) 3341-1444

E-mail:
contato@mnp.org.br